Quem sou eu

Belém/Ribeirão Preto, Brazil
Amazônida jornalista, belemense papa-xibé. Mãe, filha, amiga... Que escreve sobre tudo e todos há décadas. Com lid ou sem lid e que insiste em aprender mais e mais... infinitamente... Até a morte

Aos que me visitam

Sintam-se em casa. Sentem no sofá, no chão ou nessa cadeira aí. Ouçam a música que quiser, comam o que tiver e bebam o que puderem.
Entrem...
Isso aqui está se transformando em um pedaço de mim que divido com cada um de vocês.
Antes de sair me dê um abraço, um afago e me permita um beijo.

Arquivo do blog

sábado, 13 de outubro de 2007

A praça do Carmo

Entre as programações que fazem o atual grandioso calendário que antecede a festa do Círio, está o extra-oficial encontro na praça do Carmo. Não é um incentivo governamental, mas um grupo de pessoas que após a procissão fluvial se reúne e entardece em torno de um bar tosco e que durante o ano é pouco frequüentado. São jornalistas, artistas, fotógrafos, músicos, cientistas e outros seres meio estranhos que fizeram daquele ambiente histórico e mal cuidado seu "point". Para colocar pra ferver, depois do meio-dia, o "Arraial do Pavulagem" com seu Cordão do Círio, faz a sua grande apoteose. Uma loucura só sob um sol de mais de 40 graus.
Sempre freqüentei o cantinho sujo e quase abandonado, repleto de mesas espalhadas pelas calçadas esburacadas bem próximas da baía do Guajará. Hoje voltei lá. Revi o Walter Pinto, Sérgio Palmiquist, Ronaldo Brasiliente, Lilian Afonso, jornalistas da antiga e outros colegas. Mas meu clima não era de farra, não estava emocionalmente naquele lugar. Nem os camarões deliciosos com catupiry eu me permiti. No máximo água e a limonada que levei. Completamente destoante do ambiente, saí mais cedo.
Antes porém, vi, do alto da Casa das Onze Janelas o Círio Fluvial passar. Lindo ! Emocionante, deslumbrante, indescritível.
Minha fragilidade e impedimentos gastronômicos e etílicos me conduzem, este ano, para as cenas mais relihgiosoas. Ano que vem, quem sabe, volto a participar mais ativamente também da profana com cerpinhas, camarões, sol e muito carimbó.