Quem sou eu

Belém/Ribeirão Preto, Brazil
Amazônida jornalista, belemense papa-xibé. Mãe, filha, amiga... Que escreve sobre tudo e todos há décadas. Com lid ou sem lid e que insiste em aprender mais e mais... infinitamente... Até a morte

Aos que me visitam

Sintam-se em casa. Sentem no sofá, no chão ou nessa cadeira aí. Ouçam a música que quiser, comam o que tiver e bebam o que puderem.
Entrem...
Isso aqui está se transformando em um pedaço de mim que divido com cada um de vocês.
Antes de sair me dê um abraço, um afago e me permita um beijo.

Arquivo do blog

sábado, 5 de setembro de 2009

Meu amigo e espelho RAIMUNDUNZÉ

Pintão, Raimundo José ou como ele dizia que só eu e a mãe o chamávamos: RAIMUNDUZÉ.
Talvez ninguém tenha sido tão importante na minha formação como profissional, como pessoa na relação com os seus colegas de trabalho, como ele.
Tivemos muitas oportunidades de reviver hilários momentos que começaram no jornal O Estado do Pará, ainda no final da década de 70. Papos molhados ou movidos a peixe assado, na casa da Roso Danin, em Canudos,. Mas hoje, depois desse adeus definitivo, é inevitável não sentir tudo rebrotando e como uma tempestade remexer lembranças, emoções e atiçar a saudade que dói demais.
Dezembro de 1983, ele, mais amigo da Sula (a amiga comum com quem eu dividia apartamento), ele fala da vaga disponível na Embrapa. Não para jornalista, mas para revisor gramatical. Tinha mais a minha cara, segundo eles,e sai em busca do desafio. Um teste rápido e fui a selecionada. Aí passei de fato a conhecer aquele homem grandão, desengonçado, óculos fundo de garrafa, gago, de poucas palavras, mas infinitamente bom, justo, ético, profissional, amigo, competente, sagaz, inteligente, sério que agora nos deeixa órfãos.
Foram anos na mesma sala, dividindo sonhos e frustrações de quem inicia um trabalho em uma instituição de pesquisa que não compreendia nossa atividade, que não percebia o nosso papel no emaranhado de projetos.
Foi também meu mestre no pouco que sei de sindicalismo. Aprendi com ele a conviver com as diferenças, a respeitar os antagonismos e beijar e abraçar mesmo os que a gente possa discordar política ou ideologicamente.
Uma amizade que se fortaleceu com os anos e que nos tornou irmãos. Sim, eu o considerava um irmão, assim como tinha certeza que era esse o sentimento que ele nutria por mim.
O RAIMUNDUZÉ me ensinou o que é ética sem discursos, sem citações bibliográficas, sem metodologias ou revisões literárias. Estava no sangue e as aulas práticas tenho sempre como referência e procurado usá-las em qualquer momento da minha vida.
Foi ele o meu maior estímulo dentro da Embrapa, mesmo não acreditando integralmente nos documentos institucionais. Na prática me mostrou um horizonte onde a amizade pode sobreviver mesmo quanto há uma aparente competição profissional. Ele era seguro e generoso e me estendeu a mão, me ensinou, me doou pérolas que me acompanharão até a morte.
É.. e hoje escrevo sobre a morte dele. Uma morte anunciada que sabia que chegaria a qualquer momento, mas que eu não queria que fosse confirmada.
Egoísmo talvez ...
Sabia do irreversível quando o encontrei em São Paulo ano passado. Debilitado, mais magro, sem apetite e profundamente zangado. Passeamos pelo shopping (ele na cadeira de roda), fizemos compras, nos enganando com o cenário de alegria a nossa volta. Aos nos despedir o fizemos com muita emoção. Acreditávamos, mesmo sem nada dizer, ser este o nosso último encontro.
Mas não foi ...
Início de maio estive em Belém e entre as poucas pessoas que tive tempo de me encontrar, estava ele. Ai como doeu vê-lo naquele estado. Esquálido, perna esquerda quase sem movimento e um humor mais negro do que o que era uma de suas características :
- Já viste isso, Ruth ? Tenho quatro pernas agora, mas só uma funciona de verdade !! A bengala !!! kkkk
A última imagem foi ele pagando a mensalidade dão curso de natação do Caio (outro motivo para eu admirá-lo mais ainda) e o enorme esforço que fez só para deixar o táxi e andar uns poucos metros. Meu amigo era só dor e num esforço imensurável tentava se manter em pé, participar da vida familiar que reconstruiu com a dedicada e incansável Sílvia Regina.
De volta ao táxi chorei... Deixava pra trás um querido amigo, um ser humano especial e um profissional que o câncer aos poucos nos roubava.
Há cerca de 15 dias falei com ele pelo telefone. Voz\ baixa, arrastada, entrecortada pela dor.
-Como você está amigão ?
- Horrível, Ruth !! Horrível! Nem ando mais.
Agora a dor passou, o amigo se foi e só nos resta preservar a sua lembrança, agradecer ao privilégio de ter estado tão perto dele por anos. Não só nas comemorações abarrotas de uísque ou cervejas, mas como paradigma de discernimento, competência, respeito pelo outro, seriedade, ética e inteligência.
Até qualquer dia, RAIMUNDUZÉ !
O reencontro com os nossos amigos comuns que já se foram combina mais com você do que a dor que te fez sofrer por tanto tempo.
Um beijo querido !!