Quem sou eu

Belém/Ribeirão Preto, Brazil
Amazônida jornalista, belemense papa-xibé. Mãe, filha, amiga... Que escreve sobre tudo e todos há décadas. Com lid ou sem lid e que insiste em aprender mais e mais... infinitamente... Até a morte

Aos que me visitam

Sintam-se em casa. Sentem no sofá, no chão ou nessa cadeira aí. Ouçam a música que quiser, comam o que tiver e bebam o que puderem.
Entrem...
Isso aqui está se transformando em um pedaço de mim que divido com cada um de vocês.
Antes de sair me dê um abraço, um afago e me permita um beijo.

Arquivo do blog

terça-feira, 6 de maio de 2008

A busca incessante

Agora é hora de raciocinar, racionalizar, colocar o pé no chão. As emoções que afloraram com tanta intensidade, que me deixaram cega e desnorteada, cedem lugar à realiade, mesmo que as lágrimas persistam, mesmo que o cansaço não passe, mesmo que o medo exista.

Não voltarei mais a São Paulo. Farei em Belém meu tratamento merecendo um olhar agora bem diferenciado dos que dirigem o hospital Ophir Loyola. Fiz o que não queria e agiram exatamente como eu sempre condenei: usei pistolões, houve interferência de terceiros e as portas se abriram, o tratamento passou a se diferenciado. Enquanto eu era apenas uma cidadã comum, mal consegui ser atendida pela assistente social. Tive que argumentar para conseguir, junto com outras pessoas que aguardavam há horas, que ela não fosse embora e nos atendesse.

Dessa vez foi diferente:até o diretor geral encontrou alguns minutos para me explicar as dificuldades do hospital, mostrar dados e situações e ratificar o quanto essa herança é difícil. Mostrou-se otimista e acredita que em breve teremos mais um aparelho em funcionamento. Torço para que seja verdade.

Penso na minha radio, mas sei que a prioridade neste momento é o Manoel. Embora esteja reagindo muito bem ao tratamento, não apresentando nenhuma complicação, sem sinal de febre há muitos dias e muita disposição para brincar, ironizar, comer e rir, sabemos que o caso dele é grave. Precisa de cuidados especializados e Belém, de novo, se mostra limitada nessa área. Alguns exames não são feitos por nenhum laboratório da cidade. É preciso enviar o material para SP com dias de atraso, com longas horas de viagem, o que pode interferir no resultado. Por isso estamos nos mobilizando (e o pessoal da Embrapa está sendo incansável nesse aspecto) para que ele seja tratado em um hospital paulista. A limitação principal está em obter uma UTI móvel aérea, já que a médica não autoriza o transporte por avião comercial. Sei que conseguiremos.

Até mesmo o diagnóstico me parece precipitado. Tento entender, já com mais calma, o quadro como um todo e não me convenço. A conclusão do hemograma diz: medula óssea sugestiva de leucemia aguda. Sugestiva não é conclusiva. Ele tem um longo histórico de problemas hematológicos, principalmente plaquetas muito baixas e leucócitos muito altos. Nunca levou muito a sério o tratamento. Comia o que não devia, bebia o quanto podia, mesmo tomando remédio. Trabalhava demais, se estressava demais e contraiu uma dengue. Acredito que esses antecedentes devem ser mais bem avaliados, principalmente porque ele está respondendo bem demais a todas as interferências médicas. Nenhum indício de leucemia, mesmo que seja inicial. Pode ser apenas uma dúvida, uma esperança de que o diagnóstico esteja errado, mas eu preciso ter certeza. Tudo o que vivi com o meu câncer me mostra que é preciso duvidar, perguntar e nunca acreditar no primeiro médico. Eles são humanos e também podem errar.

A minha ansiedade é que me move, não desligo, não paro de pensar, de buscar na Internet explicações e casos similares. Ansiedade que se revela também no ambiente doméstico, com os filhos que acabam sendo meus escudos, os que mais recebem minhas explosões. Não queria que fosse assim, mas estou fragilizada, com medo que aconteça alguma coisa com eles e acabo exagerando na preocupação, nas cobranças, no desejo de tê-los bem perto como se isso impedisse que algo ruim os atinja. Eles também estão sofrendo. Cada um do seu jeito, mas não deve ser fácil ver o mundo cor-de-rosa de um ano atrás desmoronar. Amadurecerão mais rápido e de uma forma tão penosa. Coitado dos meus meninos !

Não dá pra parar. Não sou a mulher maravilha, estou carente, cheia de angústia e apreensões, mas há tanto a providenciar, há tanto a decidir.

Ouvirei outro hematologista à noite, tenho consulta com a psicoterapeuta hoje à tarde, preciso ir a um cartório tratar de uma procuração, pagar contas que já venceram, visitar o Manoel e tentar dormir, relaxar e me preparar para quinta-feira retornar ao Ophir Loyola e pelo menos ter a boa notícia de que começarei a radio muito em breve.

Meu tempo se esgota (ou já se esgotou ?)

2 comentários:

Anônimo disse...

Querida Ruth,
Apesar de tudo o que está acontecendo, vejo que o amor que os uni é maior, vendo agora o seu Manoel de cabeça rapasda até brinquei que está parecendo mais novo, contudo o seu tempo está corrido e não se esgotando, lembre-se sempre que o nosso Deus nos dá o tempo certo para cada momento de nossas vidas, e acredite que no tempo certo tudo irá se resolver, tenhamos sempre a fé.
Nossa corrente continua juntos a essa vitória
Aprendemos a ama-la ainda mais.
Fique com Deus.
Mil bjokasssssssssssssssss
Cláudia.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,